China pode já ter passado pico de emissão de gases de efeito estufa

07/03/2016

Crescimento a “taxas chinesas” ficou no passado e foco agora é qualidade, dizem pesquisadores
britânicos; emissão anual de gases de efeito estufa pode não subir mais acima dos níveis de 2014

Siderúrgicas em Benxi, China: velha economia está ficando para trás (Foto: Andreas Habich)
Siderúrgicas em Benxi, China: velha economia está ficando para trás (Foto: Andreas Habich)

DO OC

A locomotiva do planeta está mudando de rumo, com consequências profundas para a economia e o clima global. A China parece ter entrado numa nova fase de seu desenvolvimento, e pode ter passado já em 2014 o pico de emissões de gases de efeito estufa que seu governo se comprometeu a atingir até 2030.

A aposta é de uma análise publicada nesta segunda-feira (7/3) pelo Instituto Grantham, vinculado à London School of Economics e dirigido por Nicholas Stern, ex-economista-chefe do governo britânico. Nela, Stern e seu colega Fergus Green argumentam que dificilmente a China verá novamente o tal crescimento “a taxas chinesas” como o do período 2000-2013. Naquela fase, o consumo de carvão mineral triplicou graças ao investimento em indústrias pesadas e altamente intensivas em energia, como siderurgia e cimento, à explosão da construção civil e à industrialização maciça com foco em exportações.

Segundo Green e Stern, o gigante asiático entrou em um “novo normal”, ora voltado a crescer com qualidade – e não mais em quantidade. A nova política, refletida no Plano Quinquenal publicado pelo governo chinês neste fim de semana, está orientada em torno de quatro eixos: serviços, inovação, redução das desigualdades e sustentabilidade ambiental. Todos os quatro são boas notícias para o clima.

Em pouco mais de uma década, o modelo econômico anterior transformou a China no maior emissor global de carbono, no maior usuário de petróleo e no consumidor de metade do carvão produzido no planeta. O crescimento do PIB foi vertiginoso, na casa dos dois dígitos ao ano. O consumo primário de energia para bancar essa decolagem foi igualmente brutal: cresceu 8% ao ano no período, o que deu origem à contabilidade quase mitológica de uma usina a carvão inaugurada por semana.

Isso levou a China a ultrapassar os EUA em 2006 como maior poluidor do planeta (embora as emissões per capita da China ainda sejam muito inferiores às americanas) e jogou as emissões chinesas de CO2 para 10,5 bilhões de toneladas em 2014, segundo a Agência Holandesa de Avaliação Ambiental.

Poluição

A conta dessa farra foi passada em parte para os 7 bilhões de terráqueos, que nos próximos anos pagarão a externalidade do crescimento chinês na forma de impactos do aquecimento global. Mas a primeira parcela desse débito coube à própria China: aumento da desigualdade, divisões internas numa sociedade que sempre tentou se mostrar monolítica ao mundo e uma dívida na economia que quadruplicou apenas entre 2007 e 2014, de US$ 7 trilhões para US$ 28 trilhões (sim, você leu certo: trilhões).

Mas, o pior de tudo, o novo modelo legou aos chineses uma tragédia de saúde pública causada pela poluição do ar. Segundo Green e Stern, somente as emissões de material particulado fino causam 1,6 milhão de mortes precoces por ano – 4.000 por dia – no país. O prejuízo total decorrente disso equivale a 10% do PIB chinês. Ou seja, a insustentabilidade ambiental também é econômica.

Analisando dados econômicos e energéticos da China, os britânicos teorizam que o novo modelo já está em curso. Ele começa com a desaceleração do crescimento, de 10,5% ao ano para os atuais 6% ao ano, e prossegue no setor de energia. O crescimento das energias não-fósseis entre 2010 e 2014 foi de 73% – somente em 2014 foram instalados 21 gigawatts em energia eólica e 11 em solar (algo como três vezes a capacidade nominal da usina de Belo Monte). As mudanças na matriz energética respondem a três imperativos: controlar a poluição, reduzir a dependência do petróleo importado e produzir tecnologias de zero carbono e de alto valor agregado.

O resultado disso é que o consumo primário de energia despencou de 8% ao ano na média do período anterior para 2,2% em 2014 e menos de 1% em 2015. Daí a decisão do governo, anunciada na semana passada, de fechar usinas termelétricas a carvão e siderúrgicas, demitir 1,8 milhão de trabalhadores e bancá-los para não trabalhar.

O impacto do “novo normal” sobre as emissões do planeta foi direto: em 2014, segundo o Global Carbon Project, as emissões globais ficaram quase estagnadas, com crescimento de 0,6%. E a previsão para 2015 é de nova estagnação ou mesmo um ligeiro declínio.

“Nós provavelmente vamos continuar a ver a continuação da experiência de 2014-2015 no declínio da intensidade energética [da China]”, afirmam Green e Stern.

Dados os sinais da economia política do gigante asiático, os economistas britânicos preveem que a China provavelmente nunca mais voltará a crescer no ritmo anterior. A aposta da dupla é num aumento do PIB de 6% a 7% ao ano nesta década e de 3% a 6% a partir de 2020.

Nesse contexto, países que dependem da compra de produtos primários como aço, minérios e petróleo pela China (como por exemplo aquele que fica entre o Uruguai e a Venezuela) podem esperar sentados por um outro boom de commodities.

Se por um lado a desaceleração da China deverá quebrar o Brasil, por outro ela também poderá salvar a implementação do Acordo de Paris. “É bem possível que as emissões caiam modestamente, implicando que 2014 foi o pico”, escrevem os britânicos, afirmando que a meta anunciada pela China antes do Acordo de Paris – atingir pico de emissões até 2030 – foi provavelmente muito conservadora.

Melhor ainda: aparentemente, prosseguem, a China está num curso quase irremediável de declínio de emissões: para crescer 6% ao ano na próxima década, o país precisará fazer reformas que implicam em mais inovação e mais energia limpa; se crescer 3%, as emissões naturalmente cairão em relação à taxa surreal do começo deste século.

Menos carvão

O novo Plano Quinquenal da China, cuja primeira versão foi apresentada ao parlamento chinês no sábado (5/3), aparentemente corrobora a análise dos britânicos.

A China propõe limitar o consumo de energia em 5 bilhões de toneladas de carvão em 2020, além de reduzir o uso de energia em 15% e a intensidade de carbono em 18%, de acordo com a agência de notícias Reuters. O governo chinês considera uma taxa de crescimento de 6,5% a 7% ao ano no período.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, afirmou que, em 2020, 60% do crescimento econômico da China virá de melhorias em ciência e tecnologia. “Precisamos nos mover mais rápido para transformar a China em um fabricante de produtos avançados e de qualidade”, disse. Em 2015, já houve uma queda de 3,7% no uso de carvão na comparação com o ano anterior, com ascensão das renováveis.

O plano para os próximos cinco anos cita uma “revolução energética”, por meio de um sistema de energia “moderno, limpo, de baixo carbono e eficiente”, segundo a imprensa estatal chinesa. Também há destaque para o mercado de veículos elétricos. As medidas dependem de aprovação do Parlamento.

As metas incluem ainda “aplicar o mais estrito sistema de proteção ambiental”, com esforços do governo, das empresas e do público, honrar os compromissos climáticos e participar profundamente na gestão global do clima. A China apresentou às Nações Unidas o compromisso de reduzir em até 65% suas emissões de gases de efeito estufa por unidade do PIB até 2030 em relação a 2005.