14 - outubro - 2015

Mudanças climáticas podem levar 720 milhões à miséria

Eventos climáticos extremos podem colocar em risco os avanços na redução da pobreza até agora, diz estudo; pico de emissões de gases de efeito estufa deve ser atingido em 2030

A seca de 2011 no Quênia dificultou o acesso a água potável. Foto: Marisol Grandon/UK Department for International Development/Flickr
A seca de 2011 no Quênia dificultou o acesso a água potável. Foto: Marisol Grandon/UK Department for International Development/Flickr

CÍNTYA FEITOSA (OC)

Se não agirmos agora para reduzir o risco de efeitos mais severos das mudanças climáticas, 720 milhões de pessoas podem ficar em situação de pobreza extrema. A conclusão é de um relatório do Overseas Development Institute (ODI), que afirma que erradicar a miséria é possível, mas depende de ações efetivas contra o aquecimento do planeta.

Isto porque, se não controladas, as mudanças climáticas levarão ao aumento do que chamamos de eventos climáticos extremos – secas severas, mudanças no regime de chuvas, enchentes, aumento do nível do mar –, que por sua vez levam a deslocamentos populacionais, redução da produtividade no campo, escassez e aumento do preço de alimentos e a um consequente problema de nutrição.

Os dados se baseiam nas estimativas de emissões no cenário business-as-usual – ou seja, se nada for feito em relação ao atual nível de emissões de gases causadores do efeito estufa –, em que a estimativa é de um aquecimento global próximo a 4ºC. O estudo afirma que, para que as medidas de erradicação da miséria se concretizem, o pico de emissões deve ocorrer em 2030, e que em 2100 as emissões devem ser próximas a zero.

O documento “Pobreza Zero, Emissões Zero” aponta que acabar com a pobreza extrema em tempos de crise climática é necessário e compatível. “A erradicação da pobreza não pode ser mantida sem profundos cortes dos grandes emissores de gases de efeito estufa”, sugerem os autores. “É incoerente para os grandes países emissores, especialmente os industrializados, apoiar a erradicação da pobreza como prioridade de desenvolvimento enquanto não mudarem a sua própria economia em direção a uma via de emissões líquidas zero.” Isto porque, diz o estudo, os custos de adaptação tornam-se implausíveis em um cenário de aquecimento global acima de 2ºC até o fim do século.

Figura mostra número de pessoas que podem ser afetadas por eventos climáticos extremos. Fonte: ODI

Figura mostra número de pessoas que podem ser afetadas por eventos climáticos extremos. Fonte: ODI

Um mundo dois graus mais quente em relação ao período pré-industrial é o limite considerado seguro pelos cientistas para que os efeitos das mudanças climáticas sejam menos graves. A COP 21 (Conferência do Clima das Nações Unidas em dezembro deste ano) tem o objetivo de gerar um acordo entre os países para limitar as emissões dos gases causadores do efeito estufa, além de mecanismos para auxiliar a adaptação dos países mais vulneráveis às consequências das mudanças climáticas.

A análise indica ainda que sustentar o crescimento econômico nos países em desenvolvimento é crucial para a erradicação da pobreza, mas é provável que o crescimento seja mais moderado e menos eficaz na redução da pobreza extrema nas próximas décadas do que tem sido atualmente. Alcançar este objetivo depende, além de frear as mudanças climáticas, de acesso a boa nutrição, educação e melhores condições de trabalho.

Além disso, o relatório também exemplifica a influência de ações de mitigação (ou seja, ações para atenuar as mudanças climáticas) em benefícios econômicos. Por exemplo, práticas agrícolas com baixas emissões de gases de efeito estufa podem levar ao incremento de produção; investimentos em energias renováveis e geração de energia distribuída ampliariam acesso à energia a custos mais baixos; melhorias em transportes públicos levariam à redução de doenças relacionadas à poluição, além de aumentar a produtividade nos grandes centros e reduzir custos com deslocamento.

Comentários

O Clima da semana

Assine a nossa newsletter