26 - fevereiro - 2018

Europa bate de frente com emergentes sobre regras climáticas

Ministros da UE delineiam prioridades para 2018 na implementação do Acordo de Paris e exigem mais transparência da China, mas não sinalizam aumento de ambição

A negociadora europeia de Clima Carole Dieschbourg cumprimenta o negociador-chefe chinês, Xie Zenhua, em Paris: acabou o amor (Foto: Claudio Angelo - 14/12/2015/OC)
A negociadora europeia de Clima Carole Dieschbourg cumprimenta o negociador-chefe chinês, Xie Zenhua, em Paris: acabou o amor (Foto: Claudio Angelo - 14/12/2015/OC)

MEGAN DARBY
DO CLIMATE HOME

Ministros de Relações Exteriores da União Europeia entraram em rota de colisão com a China ao publicar uma declaração defendendo que as mesmas regras sejam aplicadas a todos os países no Acordo de Paris sobre mudança climática.

No documento de nove páginas sobre os objetivos da diplomacia climática, divulgado na conclusão de uma reunião na segunda-feira (26), os ministros ressaltaram a necessidade de mais ação. A janela para limitar o aquecimento global a 2oC, temperatura máxima acordada em Paris, está “se fechando depressa”, eles alertaram.

As negociações no âmbito das Nações Unidas para implementar o Acordo de Paris precisam criar “um regime universal com regra aplicáveis a todos, afirma a declaração europeia.

Já a China e seus aliados pedem um manual implementação em dois níveis, com exigências menores para países em desenvolvimento reportarem seu progresso. Este é um dos pontos-chave da negociação para resolver até dezembro deste ano, data em que o livro de regras de Paris precisa ficar pronto.

Os ministros também enfatizaram a importância de aumentar a ambição coletiva durante o chamado Diálogo Talanoa, processo que durará o ano inteiro, mas não chegaram a prometer uma revisão das metas europeias de redução de emissões.

Algumas outras preocupações do mundo em desenvolvimento foram abordadas, incluindo financiamento climático e ambição pré-2020.

Entre os pontos-chave do documento estão:

  • O setor de navegação foi instado a fazer “sua parte” na redução de emissões, em linha com o Acordo de Paris, dentro de um acordo setorial a ser adotado em abril durante encontro da Organização Marítima Internacional.
  • A Organização da Aviação Civil Internacional foi instada a adotar regras “robustas” num esquema de compensação de emissões para as viagens aéreas.
  • Um apelo a mais doadores para o financiamento climático aos países em desenvolvimento, notando o papel de liderança da União Europeia; além disso, a reafirmação do compromisso com a meta de US$ 100 bilhões por ano em 2020.
  • Um movimento para integrar preocupações climáticas nas políticas de segurança, desenvolvimento, redução de risco de desastres e comércio.
  • Planos para um evento de alto nível sobre clima e segurança a ser liderado pela representante da UE para Relações Exteriores, Frederica Mogherini, e realizado em Bruxelas em junho.

Camilla Born, assessora sênior de políticas públicas do think-tank E3G, disse que o escopo mais amplo do documento mostrava “um amadurecimento da diplomacia climática europeia”. No entanto, o fracasso em sinalizar o maior aumento da ambição do bloco representa uma “oportunidade perdida”, afirmou. “Eles precisam levar a sério a parte da ação e do aumento da ambição se quiserem ganhar o que desejam nas regras”, disse Born.

Este texto foi publicado originalmente pelo site Climate Home e é reproduzido pelo OC por meio de um acordo de conteúdo.

Comentários

O Clima da semana

Assine a nossa newsletter