23 - June - 2020

OC deixa Coalizão Brasil

Hora é de dedicar energia à luta contra retrocessos ambientais e à defesa da democracia, diz secretário-executivo

Floresta-e-agricultura-e1436183283167

DO OC – O Observatório do Clima se desligou nesta segunda-feira (22) da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, um espaço criado em 2014 para promover o diálogo entre entidades ambientalistas e do agronegócio para o desenvolvimento sustentável.

Em carta enviada aos membros da coalizão, o secretário-executivo do OC, Marcio Astrini, afirma que as mudanças no contexto nacional após a eleição de 2018 exigem que a rede concentre suas energias na defesa do meio ambiente e na resistência aos retrocessos impostos pelo governo atual na agenda climática e socioambiental.

A saída, esclarece Astrini, é apenas do secretariado da rede. As organizações do OC que integram a coalizão permanecerão no fórum se assim o desejarem.

No ano passado, entidades do agronegócio como a Unica (do setor da cana) e a Sociedade Rural Brasileira haviam saído da coalizão, por ordem do ministro do Meio Ambiente.

Leia abaixo a íntegra da mensagem enviada pelo OC à Coalizão Brasil.

*

À Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura

Prezados membros da Coalizão,

O Observatório do Clima (OC) é uma rede 50 organizações da sociedade civil. Com 18 anos de existência, nossa missão é defender o meio ambiente e ajudar na construção de uma sociedade mais justa e sustentável, pressionando tomadores de decisão para a implementação de políticas públicas efetivas em relação às mudanças do clima.

Participamos da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura desde seu início e integramos o Grupo Executivo até o ano de 2019. Reconhecemos a importância do diálogo multissetorial na busca e construção de soluções para os problemas socioambientais do Brasil.

Desde a criação da Coalizão, o contexto brasileiro mudou muito. Atualmente enfrentamos ataques inéditos ao meio ambiente, que põem em risco o clima do planeta e décadas de construções e avanços de políticas do setor no Brasil. Os resultados são desastrosos e vão desde o aumento do desmatamento e das emissões nacionais até o incentivo de práticas ilegais e a promoção da violência no campo.

O atual governo ainda enxerga as entidades que atuam na área socioambental, bem como indígenas, quilombolas e outros setores da sociedade, como inimigos que devem ser aniquilados. Os espaços de diálogo com o Poder Executivo foram encerrados, de forma unilateral, pelo próprio governo. Na gestão Bolsonaro, não é apenas a agenda ambiental que corre riscos, mas a própria democracia está sob constante ameaça.

O Observatório do Clima assumiu papel central de resistência a este cenário. Nos dedicaremos à defesa do clima, do ambiente e da democracia de forma contundente e incansável. Sendo assim, é hora do OC deixar a Coalizão e concentrar todas as suas energias nesses eixos de atuação.

Agradecemos pelos momentos de acolhida e pela troca de experiências nestes anos em que fizemos parte deste colegiado.

Respeitosamente,

Marcio Astrini
Secretário-executivo
Observatório do Clima

Comentários

O Clima da semana

Assine a nossa newsletter